sábado, 24 de março de 2012

It's Not Bondage Until You Want To Get Out

Acho que não existem rótulos, cada indivídio é único, eu tenho muitas facetas, um fetichista nato, amo pés femininos, ama bondage (ser amarrado), amo ver minha esposa em lycra... sim sim sou pervertido.
 
Como bondagista (alguém que tem prazer em ser amarrado), li mais de uma vez uma frase que sempre adorei e que veio a mente agora. Em inglês é: "It's Not Bondage Until You Want To Get Out"
A tradução seria algo como "Não é realmente bondage até que você deseje ser libertado", isso é algo que pode ser muito bem adaptado a mente de um homem em castidade controlada.
Não é realmente castidade até que você comece a desejar verdadeiramente ser libertado para ter uma ereção ou orgasmo. 
Exemplifico: você esta preso, até aquele momento você está conseguindo aguentar o cinto de castidade, os desconfortos, está segurando a barra, mas as horas e dias vão passando, sem sinal de que sua mulher planeja lhe conceder um orgasmo, ou a liberdade para uma simples ereção, passa mais um dia e nada, somente "tease and denial" provocações e negações, dias dando prazeres a ela, levando ela ao orgasmo de todas as maneiras possíveis, menos usando seu próprio pênis, que continua preso, flácido, dentro de uma gaiola de acrílico transparente cadeada, a chave daquele cadeado pendurada no pescoço de sua mulher, que exibe a chave como um troféu, para te lembrar constantemente que as chaves to teu prazer agora pertencem a ela.
O resultado será inevitável, eu não tenho dúvidas, em algum ponto do caminho sua mente vai entrar em colapso, e tudo que você deseja é ter uma ereção, um orgasmo, tudo que deseja é ser solto do cinto de castidade, imediatamente. 
Neste momento a frase poderia ser adaptada assim: "Não é castidade controlada até você desejar ser libertado". 
Sua mente começou a entender que a castidade é real, antes daquele ponto, independente da vontade de sua mulher libertar ou não você, você ainda parecia ter as coisas sob certo controle, sabia que daria para aguentar mais, um pouco mais. Mas agora não, agora você chegou a um limite em que parece não aguentar mais, as suas resistências finais quebraram, ruíram.
Você implora libertação, desesperado.
Então ela olha para você, com um sorriso irônico, bate com a ponta da unha sobre a gaiola de acrílico que contém seu sexo trancafiado e diz:
- "Não meu amor, é claro que não, você sabe muito bem que as regras do jogo não são essas, você me concedeu plenos poderes para manter esse pintinho preso por muito mais tempo e eu planejo utilizar todos os poderes e direitos que me foram dados." 
- "E vou te advertir que não faça mais isso, de acordo com as regras, qualquer pedido de libertação é passível de punição, você quer que eu adicione mais tempo de castidade para você? 
- "Afinal não era isso que você queria? Ser mantido em castidade controlada?"
- "Você não queria que eu te controla-se? Nega-se seu orgasmo?"
- "Pois agora o meu controle é real, e vou te contar um segredinho, ou melhor "mostrar um segredinho", vem aqui vem, beija minha buça que tu vai ver."
O pobre homem se ajoelha e beija o sexo de sua mulher, sente o perfume inebriante, ela completamente molhada, quase pingando.
- "Viu? Sente como estou molhada? Eu estou adorando cada minuto disso. Mais do que você sequer pode imaginar."
- "E você esta muito bem assim meu amor, tenho certeza que você aguenta muito mais disso, agora vem aqui me chupar que eu estou querendo gozar"
- "Seja bem bonzinho que um dia te solto da gaiola, mas você sabe né, por "um dia" eu quero dizer uma data aleatória entre amanhã, semana que vem, mês que vem ou trimestre que vem, tá?."
Pronto, você atingiu aquele momento, sem controle, você está desesperado, completamente desarmado, e sua Guardiã das Chaves tem total controle sobre você, física e mentalmente, você finalmente começou a sentir de forma real o que é castidade controlada, você deseja sair mas não pode, ela nega, nada que você fizer vai mudar isso, somente ter esperança de que em algum momento ela vai ser mais benevolente, mas você não tem certeza quando, tudo é incerto, imprevisível. 
Será que dá para aguentar? Bom nunca ouvi falar de ninguém morrendo por causa disso.
Agora quanto a sanidade não tenho certeza.
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário