terça-feira, 4 de dezembro de 2012

História de uma dominadora...

Observações: Foi escrito em forma de relato.
Ficção, escrita por P. e S., espero que gostem...

Conto de uma dominadora...

Parte 1

Homens com este fetiche tem muitas fantasias sobre o tema, mas o engraçado de tudo isso é que eles se masturbam e gozam com a ideia de castidade controlada, só que a realidade, neste caso é bem diferente da fantasia. Quando a fantasia é vivenciada no mundo real a chance de se masturbar, ter uma ereção, ou um orgasmo é nula. Em algum ponto do processo o seu homem vai se arrepender e desejar desesperadamente um orgasmo, pode demorar 3 dias, 10 dias, 20 dias... Mas em algum momento da experiência ele vai desejar ardentemente um orgasmo,  e é neste ponto que a verdadeira castidade controlada começa. Quando seu homem atingir este ponto você terá ele na palma de sua mão. Se você sente prazer em controlar e gosta da ideia de poder domina-lo é neste momento que a diversão real começa. Mas para que você possa viver isso sem culpa é preciso entender algumas premissas básicas:
- Nada de ruim vai acontecer com ele se ele não tiver um orgasmo por uma semana, um mês ou um ano. Sério.
- Lembre-se, foi ele que pediu isso, neste caso vale o velho ditado, cuidado com aquilo que você deseja, você pode conseguir.
- Vocês devem buscar muito a troca de experiências e afinidades, isso no fim é o amadurecimento de vocês como casal.

Primeiro você deve pensar em você mesma, quando digo isso, digo, o que você realmente quer, o que você gosta.
Se você pensar bem, todo relacionamento tem uma dinâmica de dominação e submissão, de controle e de poder, então você tem que escolher o que você gosta. Pergunte a si mesma, 
Eu por exemplo não nasci para ser submissa a homem, simples assim... Então ficou mais fácil entender o meu papel no jogo.
Meu homem por outro lado sempre gostou de estar na posição de dominado, essa dinâmica facilitou e muito as coisas.

Só que as coisas não são tão fáceis assim, entender o seu papel no jogo é uma coisa, agora viver esse papel plenamente requer amadurecimento, conhecimento mútuo e principalmente se libertar.
Anos se passaram para chegarmos até aqui...
Anos de jogos e cenas, brincadeiras de dominação, submissão, bondage, castidade....

No começo dominar e subjugar um homem ia contra todos os pensamentos, ia de encontro com aquilo que me foi ensinado.... afinal aquele era o meu marido, o homem que eu amava, era difícil entender tudo aquilo, então mesmo quando ele me pedia, ainda assim era complicado entender e ir em frente.

Ele foi me explicando, eu fui lendo, tendo feedbacks, só que tudo isso é um amadurecimento...
Compreender, experimentar, viver aquilo de forma plena era uma barreira a ser superada.
Sim, claro, eu confesso, com certeza a experiência me excitava. 
Mas entre se excitar e realmente se sentir plena e livre para dominar existe um caminho a ser percorrido.

E como chegamos lá? bom o primeiro segredo foi entender que eu domino, então eu estou no comando, parece fácil, mas o segredo está em fazer ele entender a aceitar as coisas do meu jeito sempre...
Claro que trocamos ideias e tudo mais, mas quero dizer que o jogo é conduzido no meu ritmo, e do meu jeito.

A primeira vez que coloquei tudo isso em prática foi em um jogo de castidade que foi o nosso ponto de virada....
Virada porque até lá eu sempre pegava light com ele, e dessa vez eu estava mesmo determinada a pegar pesado e foi uma grande surpresa para nós dois...
Fazer ele entender as consequências de seus desejos.... e ao mesmo tempo confesso que fiquei embriagada, enebriada com todo aquele poder nas mãos...

Tudo começou como qualquer outro jogo de castidade, só que diferente das outras vezes meus planos era diferentes...
Fechei ele no dispositivo de castidade e resolvi que marcaria ele de perto, todas as chaves estavam bem escondidas e naquele dia, quando o cadeado fechou ele selou seu destino.

Os primeiros 10 dias foram normais, mas ao final ele já estava bem louquinho para gozar e começou a descobrir que havia algo estranho dessa vez.

Primeiro todo o tempo eu mantive ele preso, ele não conseguiu nenhuma ereção completa por causa do dispositivo de castidade, deu para notar que aquilo já o deixava incomodado.

Então naquela noite eu amarrei ele na cama, ele ainda usando o cinto de castidade, ele tinha certeza de que eu iria deixa-lo gozar, como eu sempre fazia, mas não... usando um vibrador sobre o pau dele no cinto e fazendo-o chupar minhas solas dos pés eu excitei ele por uns 15-20 minutos até ele ficar literalmente doido... então eu sentei sobre a boca dele e mandei ele me chupar.... foi incrível a maneria desesperada como ele me chupou.... acreditando que ele iria gozar ao final.... eu gozei feito louca, virei para o lado e dormi.... ele estava doidinho... e sim.... ele continuou trancado....

Eu não lembro exatamente em que dia.. mas depois de 15-20 dias sem gozar ele estava quase subindo pelas paredes... comecei a achar aquilo excitante... todo o poder daquele jogo estava nas minhas mãos.... e eu não faria quando ele pedisse.... mas quando eu quisesse... e naquele momento eu definitivamente queria ver até onde ele iria....

Quando chegou pelo dia 25 sem gozar ele já havia passado e muito de qualquer limite anterior que ele tinha experimentado (o limite dele era 10 dias)... então eu resolvi que era hora de seguir com meu plano diabólico.... e resolvi sacanear com ele... e descobri que com todo aquele poder nas mãos era cada vez mais fácil manipular a brincadeira...

Eu disse para ele que gostaria de dar um presente muito especial... mas ele deveria dar algo em troca.... e o que eu queria era: Todos os dias quando eu chega-se em casa cansada e senta-se no sofá ele deveria me preparar uma bebida gelada, um suco ou um drink, deveria trazer um puff para descanso dos pés, deveria cuidadosamente remover meus calçados e meias, fazer uma massagem demorada em toda a sola dos pés e ao final, se eu ainda acha-se necessário, ele deveria lavar os meus pezinhos somente usando a sua língua.
Ele me olhou surpreso, era como se eu estivesse oficializando que ele seria o meu capachinho, o meu cachorrinho.... só estava faltando a coleira.
Então eu disse que em troca faria sexo oral de uma maneira que ele nunca tinha experimentado antes. Foi engraçado, mas ele aceitou sem nem ao menos pensar direito na oferta, ele estava desesperado.

Ao final daquele dia, eu lembro que cheguei cansada e só para me divertir larguei a bolsa, liguei a TV e me sentei direto no sofá só para ver a sua reação, ele estava dedicado igual a um cachorrinho e fez exatamente tudo que eu pedi, rapidamente eu estava com os pés para cima, uma caipira gelada de saque na mão, descalça, e com ele grudado nos meus pés fazendo uma bela e relaxante massagem. Lembro que foi a primeira vez que a minha ficha realmente começou a cair. Não havia porque sentir culpa por ele, ele estava tendo exatamente aquilo que havia pedido, e a medida que eu me libertava da culpa, começava a gostar mais daquilo....

Então veio a primeira de muitas surpresas para ele..... eu amarrei ele na cama... de frente para mim... cheguei bem pertinho da gaiola e coloquei aquela pau espremido no tubo de castidade dentro da minha boca e comecei a chupar bem devagar e gostoso, sim, eu estava fazendo sexo oral com o pau dele "dentro" do cinto de castidade.... o olhar de desespero dele no momento foi impagável... desespero era a palavra no momento que ele começou a entender a armadilha....

Ele disse com uma voz trêmula: "Você não pode estar falando sério!"
Eu lembro que parei de chupar e disse: Sim, senhor, esse é o trato... eu nunca disse que iria fazer sexo oral contigo solto, muito menos que você iria gozar....
Ele tentou argumentar "Mas eu pensei....!"
Eu cortei dizendo "Pensou errado, trato é trato!"

No final ainda avisei ele que a parte dele do trato deveria continuar, já que ele estava recebendo o sexo oral, então o trabalho de mordomo e cachorrinho deveria continuar todos os dias. Disse para ele que cada dia que ele se nega-se a me servir com o drink gelado e a tratar de meus pés, eu iria adicionar 10 dias no tempo de castidade.
Juro que me controlei, naquele momento estava liberando meus mais malvados instintos, e o pior estava adorando. Dessa vez, desde o começo o jogo era diferente. Eu não sentia mais pena dele...
Eu não deveria sentir pena dele... ele estava recebendo o que havia pedido... e só....
Antes de desamarrar ele ainda forcei-o a me chupar até eu gozar na boca dele... a sensação de poder que senti me deixou bêbada de tesão...
Definitivamente o poder estava me corrompendo.

No outro dia sai cedo e passei o tempo todo pensando em como ele iria reagir a tudo aquilo, contei os minutos para chegar em casa e encontra-lo.... caminhei para dentro, dei um beijo nele e fui sentar no sofá... a resposta dele não poderia ser mais direta: ele não falou nada além do normal, sem pestanejar buscou o puff para meus pés, o drink que solicitei e sem qualquer demora ele já estava com meus pés descalços nas suas mãos, eu estava recebendo uma lenta a carinhosa massagem na sola dos pés.
Por dentro era difícil disfarçar o contentamento daquele jogo, na medida que a culpa de maltrata-lo ia desaparecendo. Era possível ver o nascimento de uma nova dinâmica dentro do jogo. Eu ficava mais segura para jogar o jogo do meu jeito.
Então eu apontei meu pé na sua boca e disse: Muito bem, agora você vai ser um bom cachorrinho e lavar os meus pés usando somente a sua língua, quero eles bem limpinhos.
Ele começou a chupar meus pés sem falar uma palavra. Parecia que chupar minha xana e meus pés era tudo que restava para ele...
Após 26 dias sem orgasmos ou sequer uma ereção completa, a chance de ter meus pés (seu objeto de fetiche) ou conseguir ter contato com meu sexo eram como um presente vindo dos céus.
Ver aquele homem jogado aos meus pés, servil, subjugado por mim, foi uma sensação incrível, ele era como meu cachorrinho e eu estava agora toda molhada entre as pernas.
Lembrei naquele momento da frase que eu dizia "Nunca vou ser submissa a homem!".
Parece que agora tinha ido bem mais longe.... já que tinha feito o homem  meu submisso.
Passei a mão na cabeça dele naquele dia e disse: "Amanhã sem falta eu vou comprar uma coleira para por no teu pescoço, mas agora bem aqui chupar a minha xana que eu estou toda molhada!"...

Fim da Parte 1.

3 comentários:

  1. Maravilhoso relato(conto), fantástico...""SUPER EXCITANTE"" E mt bem escrito.....detalhadamente sensual.... estão de Parabéns, a vida é uma só então vamos curti-la! \o/\o/

    ResponderExcluir
  2. Por favor, vcs poderiam me informar em que site compraram o cinto de castidade??Foi no Brasil ou foi importado? Quanto custou? Já procurei um bocado...mas os que achei eram super caros.....e sites que não sei se são seguros de verdade!!
    Vamos lá ajudem esse jovem casal atb se divertit.......
    EMAIL: thanos_pernambuco@hotmail.com esperamos resposta!
    Bjosssss!

    ResponderExcluir
  3. Ola,
    Ficamos super felizes que tenham gostado do blog e da história. Esse conto já tem uma ideia de continuação, ainda falta tempo para escrever...
    Sobre o Cinto de Castidade vamos lá... o nosso dispositivo de castidade atual foi comprado no website brasileiro www.amasmorra.com/, a venda correu perfeita, fomos bem atendidos e recebemos o produto. No entanto, não faria a compra novamente, pois compramos um CB6000S, que mais tarde descobri ser uma cópia chinesa... a versão original custa 149,00 dólares nos EUA... a cópia chinesa do mesmo produto pode ser comprado por 49,00 dólares em websites como www.amazon.com, resumindo, na nossa próxima compra devo arriscar comprar de um website internacional.
    Bjs...

    ResponderExcluir