sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Outro Conto sobre Bondage - 4ª Parte

1ª Parte "Huntress - Capítulo 1: O Sequestro por encomenda." http://casalbondage.blogspot.com.br/2012/11/outro-conto-sobre-bondage.html

2ª Parte "Huntress - Capítulo 2: Sim, Eu Quero Ser Sequestrado" http://casalbondage.blogspot.com.br/2013/08/outro-conto-sobre-bondage-2-parte.html


Vamos publicar o 4º Capítulo deste conto, a história completa de "Huntress".

Lembrando que é um conto de ficção, sobre bondage, fantasias de rapto ou sequestro e dominação forçada. Vale aqui esclarecer que o conto não é erótico no sentido convencional, mas sim uma história de sequestro e suspense.

Temas: Conto de ficção sobre dominação feminina, dominação forçada, rapto ou sequestro, bondage, camisa de força, mordaça.

Huntress

Capítulo 4: O Guarda.

Foi uma noite agitada, o sono era inquieto, e alternava entre momentos que Pedro estava dormindo profundamente, nestas oportunidades sonhava com situações cotidianas, como estar na frente do computador, caminhar na beira da praia ou dirigir seu carro, no entanto, invariavelmente ele acordava sempre naquela cela escura, preso e amordaçado.
Sua vida havia virado do avesso, antes seus momentos de sonho e fantasia eram com cenas de bondage, imaginava-se amarrado, sonhava com isso, mas ao final sempre acordava em sua cama quentinha, para encarar a realidade do dia a dia.
Agora no entanto, naquela lugar, sua antiga vida era apenas um sonho distante, e a realidade na qual ele estava preso era uma eterna cena de bondage.
Repentinamente as luzes da cela se acenderam e ele acordou, tentando adaptar seus olhos a claridade.
Na cela entrou alguém diferente, alguém que Pedro nunca havia visto, era um homem, com aproximadamente 1,80 e olhos escuros, ele vestia roupas muito parecidas com as de Huntress, todo de preto e usando toca ninja que escondia sua identidade.
Pedro ficou lá parado sem exibir reação.
O homem falou de forma amistosa.
- Ola Pedro, finalmente pude conhece-lo, só havia visto você através das câmeras de segurança, mas não fique com medo, sou apenas um amigo de Huntress, estou aqui para ajuda-la.
- Imagine que sou apenas um guarda da prisão, cuido de você enquanto ela está la fora trabalhando.
Olha em volta como se estivesse orgulhoso.
- Finalmente o porão está em funcionamento, fique sabendo que este lugar foi construído aos poucos, demorou meses entre projeto e construção, mas no final do ano passado tudo ficou pronto, e só estava faltando o mais importante, o hóspede dela, o prisioneiro. Ela procurou muito por alguém até encontrar você, de forma incessante e obsessiva.
- Não se envergonhe, eu também sou bondagista, um velho conhecido de Huntress, somos grandes amigos. Por isso fui escolhido para exercer esse papel, ajuda-la, conheço o fetiche de vocês, sou confiável para estar aqui.
E aquele homem continuou falando de maneira eloquente.
- Quando ela me ligou ontem dizendo que finalmente havia conseguido a vítima perfeita eu quase não acreditei, não acreditava que Huntress pudesse achar um bondagista disposto a aceitar um sequestro naqueles termos. Só acreditei de fato quando ela me mostrou em detalhes os registros das mensagens eletrônicas que vocês dois tiveram, provando que você realmente tinha aceitado todas as regras e solicitado a ela o sequestro.
- Fique sabendo que Huntress estava obcecada por esta fantasia de uns dois anos para cá, e essa obsessão só aumentou desde então, acredito que a primeira pessoa que ela falou sobre isso foi comigo, inclusive tentou me convencer a ser sua vítima.
- Respondi a ela que não, pois sua proposta excedia e muito meus limites pessoais. Além do mais, eu estava acostumado somente a pequenos jogos, não mais que algumas horas amarrado.
- Mas confesso que tinha uma queda por ela, queria muito agrada-la na época, então ao final concordei com um jogo proposto por ela, o jogo se chamava "O Sequestro de 48 Horas!" 
- Imaginei que aceitando aquilo, já seria suficiente para ela. Para ela realizar a sua fantasia e acabar com aquela obsessão.
- Você pode imaginar o que era o jogo, aconteceu a pouco menos de dois anos atrás, mas lembro-me bem até hoje. Foram 48 horas de insanidade, ela me levou de casa, ainda vestindo pijamas, fui jogado amarrado no porta-malas de um carro, para falar a verdade amarrado e amordaçado estive 99% do tempo, dormi acorrentado no sótão de uma casa desconhecida, quando tentei me rebelar ela me jogou amarrado dentro de um bau de madeira velho e me deixou lá cadeado por umas três horas, ao final das primeiras 24 horas eu já tinha me arrependido completamente, mas ela me levou até o fim, cobrou-me cada minuto daquelas 48 horas. Ela é muito imaginativa em suas amarrações e muito intensa, no final até que não foi uma experiência ruim. Mas não teria coragem de repetir novamente algo naqueles termos. Sua maneira de controlar a cena é muito dura, Huntress sempre age muito forte, excessiva, exagerada, não deixando qualquer espaço para negociação, parece que ela sempre quer anular você, subjugar física e mentalmente. 
- Um mês depois daquele sequestro nós conversamos novamente, eu pedi para ser novamente amarrado e controlado por ela, queria apenas uma tarde de diversão, então ela me deu um ultimato:
- Ela disse que não queria mais jogos comigo, nunca mais, não me amarraria em joguinhos ou brincadeiras, disse que agora era hora de realizar a maior fantasia dela, o tal sequestro, sem tempo limite, e com controle total.
- Ela armou sua teia de aranha e esperou que eu me prende-se na armadilha. Confesso que cheguei perto por um instante, mas lembrei daquelas 48 horas, da força e da intensidade daquela experiência, naquele sequestro bondagista que tinha limites determinados ela havia me dominado completamente. Se eu concedesse poderes ilimitados para ela me sequestrar em seus termos, acabaria fatalmente escravizado.
- Eu disse, não. E ela, por sua vez, cumpriu a palavra, nunca mais praticou bondage comigo.
- Então de certa forma eu sinto um ponta de inveja de você, gostaria de estar agora amarrado e amordaçado.
Pedro mal conseguia acreditar em toda aquela história contada pelo guarda.
- MMMPPHHHHHMMMHPHHHHHHHHH.
O Guarda sorri e continua a conversa como que lendo os pensamentos de Pedro.
- Não Pedro, não trocaria de lugar com você neste momento, de forma alguma.
- O preço a ser pago pelo privilégio de estar nesta cela amarrado e amordaçado é mais alto do que meus limites podem pagar.
- E você Pedro? Quais são seus limites? Você aguenta? 
- Porque ela vai cobrar de você sabia, vai exigir que você cumpra a promessa que você assumiu.
Na medida que Pedro ia entendendo mais profundamente a situação, mais pânico ele sentia.
Se tudo aquilo que ele ouviu era verdade, não havia o que fazer, não havia sequer o que conversar.
Ele haveria de cumprir sua promessa, ser o brinquedo de Huntress, seu cativo até que ela por algum capricho do destino resolve-se liberta-lo.
O olhar de Pedro para o Guarda agora era de súplica.
O Guarda entendendo a situação se aproximou de Pedro e retirou a mordaça cuidadosamente.
Pedro vagarosamente mexeu os maxilares, buscando conforto, sua boca estava dolorida de ficar tanto tempo amordaçada.
O Guarda então prosseguiu:
- Você está arrependido não está? não imaginou que seria dessa forma. Vamos fale.
Pedro então soltou as palavras que estavam presas na garganta a tanto tempo.
- Por favor me ajude, sim, claro, estou arrependido, isto tudo é um engano, eu não queria.
O Guarda rebateu:
- Mas então porque você escreveu aquilo tudo? Eu li todos os registros de mensagens. Ela foi muito honesta com você, ela disse claramente como seria isso aqui, e você disse sim, ela repetiu, destacou, perguntou e frisou, pediu para você dizer sim só se realmente você aceita-se, pelo amor de deus cara, você aceitou!!!!
Pedro respondeu:
- Aconteceu assim, eu estava em casa de cuecas, me masturbando e lendo tudo aquilo, a proposta dela, na hora mais parecia uma fantasia, quase um conto erótico, não achei que realmente naquele momento estaria negociando um acordo irrevogável para meu próprio sequestro. Eu estava muito excitado, não prestei realmente atenção no momento, depois que li melhor e entendi do que se tratava, fiquei envergonhado, confuso, então desliguei o computador e fui dormir, juro que iria mandar um e-mail no dia seguinte com um pedido de desculpas. Mas quando acordei já não dava mais tempo, já acordei neste maldito porão.
O Guarda então falou para Pedro:
- Os registros estão todos lá, a conversa toda, você pediu por isso, não acredito que Huntress vá desistir de você por conta disso, ela esta obcecada por você, se ela ouvir essa história acho que você vai acabar no "buraco".
- Buraco? Pedro perguntou.
- Sim, a porta ao lado leva a outra cela que é uma solitária, no piso desta solitária existe um alçapão redondo, que leva até um buraco de concreto no chão, este buraco redondo tem um diâmetro de 1,5metros, e profundidade é de apenas 0,8metros, imagine um lugar claustrofóbico, onde você só vai conseguir ficar deitado e encolhido, então imagine o alçapão se fechando e deixando você lá no escuro lá trancado. Esse é o "buraco".
Pedro teve arrepios ao imaginar aquilo.
- Tudo para você meu amigo, este lugar todo foi planejado para receber o "sequestrado", que neste caso é você.
- Mais cedo ou mais tarde ela vai arranjar um pretexto para prender você lá embaixo. Eu aposto.
Pedro estava quase chorando.
- E o que eu faço? Quando ela vai me soltar?
O Guarda então fala olhando para Pedro.
- Não imagino que você vá sair daqui antes de algumas semanas, sinceramente.
Pedro quase grita.
- ALGUMAS SEMANAS?
O Guarda faz uma cara de reprovação.
- Fale mais baixo.
- Serei o mais sincero possível, com você. Olhe a sua volta, todo esse lugar foi construído para esse momento. Todos as fantasias de Huntress são por esse sequestro, o dia em que ela poderia realizar plenamente a sua fantasia mais obscura, e esse dia é agora, e o sequestrado é você.Agora ela vai gastar toda essa energia acumulada, aposto que agora mesmo ela deve estar contando os minutos para voltar do trabalho, já deve ter planejado tudo, talvez te mumificar, te pendurar, ela vai usar você, sem remorso, controlará tudo, e vai jogar com a sua cabeça o tempo todo, vai de dominar do jeito que ela gosta.
- E assim será amanhã, e depois de manhã, e na semana que vem, até cansar de você, e é isso que ela no fundo queria, uma fantasia onde ela pode brincar o quanto quiser, até enjoar, sem se preocupar, ela não precisa mais devolver seu brinquedo no final do dia. Agora ela pode brincar bastante, depois guardar seu brinquedo dentro do armário para continuar a brincadeira no outro dia. Lamento dizer Pedro, mas você é esse brinquedo.
- Portanto Pedro, não é o tipo de jogo que você deve aceitar participar enquanto se masturba, mas tenho certeza que da próxima vez você terá mais cuidados quando a isso.
Pedro entrou em pânico e começou a suplicar:
- Isto não pode ser verdade! eu preciso sair daqui agora, eu faço qualquer coisa eu juro, ela precisa me deixar sair.
Pedro então gritou:
- SOOCCCOOOROOOOOOOOOOOOOOOOOOO, ALGUÉM ME AJUDA, EU FUI SEQUESTRADOOOOOO!!!!.
O Guarda então não teve outra escolha, agarrou Pedro segurando as alças da camisa de força e forçou-o a deitar de barriga para baixo contra o colchão.
Com um joelho o homem aplicou seu peso fixando Pedro naquela posição deitado, e com grande desenvoltura recolocou a mordaça, aplicando nova fita adesiva.
Para finalizar aquela ação de contenção, utilizou um grande pedaço de corda para amarrar os tornozelos de Pedro juntos, após fixou a ponta desta corda com um nó em um das alças traseiras da camisa de força, a corda que amarrava os tornozelos foi ligada a parte traseira da camisa de força, imobilizando Pedro com uma amarração conhecida como "Hogtie".
O Guarda levantou-se e imóvel assistiu o desespero de Pedro se debatendo amarrado.
- MMPPHHHHMMPPHHHHHHH. MMPPHPHHHH. MMPPHPPPHHHHHHHHHHH.
Pedro se contorcia forçando a camisa de força, fazia muito esforço e protestava. Passaram-se muitos minutos de intensa luta.
- MMMPPPHHHMMMHPPHH. MMPPPPPHHHHHHHHHH.
As forças físicas de Pedro foram aos poucos se esvaindo, já estava quase sem ar de tanto se debater, mas nada mudou. Sua amarração era sólida o bastante para conter qualquer luta e sua mordaça efetiva. Suas súplicas então foram ficando mais fracas.
- MMppphhhhmmpphhhhhhhhhhh. Mpphhhhhhhh. Até que ele desistiu de lutar, quieto, derrotado.
O Guarda ao perceber que o pânico de Pedro estava ficando sob controle reiniciou a falar:
- Huntress pode chegar a qualquer minuto do trabalho, o que você acha que aconteceria, se ela pega-se você aqui em baixo gritando desse jeito?
- Esqueça Pedro, este lugar é um porão, você está no subterrâneo, além disso todo o lugar tem isolamento acústico, ninguém vai te ouvir aqui, seu gritos são inúteis.
- E quer saber o que realmente eu penso? Na realidade tu achou excitante brincar com ela, provocar, ir em frente mais um pouco, ver até onde aquele o jogo poderia te levar, achou que era inteligente e tinha tudo sob controle, só não sabia que era ela que estava jogando com você o tempo todo, e você estava brincando com fogo. 
- No fundo, bem lá no fundo, isto que está acontecendo agora foi exatamente aquilo que você desejou não foi? pelo menos está tudo lá escrito nas mensagens. Você só não sabia que seu desejo iria se tornar realidade. Então um conselho, quando você ver Huntress novamente aqui no seu cativeiro, tenha muito cuidado com aquilo que desejar a ela, pois o perigo nos desejos é que eles podem se tornar reais.
O homem então parou um instante, colocou-se no lugar de Pedro, suspirou, e mudou o tom de voz:
- Por agora não existe nada que possamos fazer para mudar sua situação. 
- Acho que voltarei novamente para te cuidar enquanto ela estiver fora trabalhando. Huntress é enfermeira, trabalha em regime de plantão em um hospital psiquiátrico, mas não deixe ela saber que te contei esta informação.
- Tentarei falar com ela sobre o sequestro, pois até agora não sei de nada, quero entender afinal quais são os planos dela para você.
- Até mais, não prometo nada, e não tenha esperanças, será melhor para você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário