quarta-feira, 31 de maio de 2017

Mr. T Scans e Outras Histórias sobre Bondage nos primórdios da Internet.

Em algum momento dos agora distantes anos 90 chegava ao Brasil a internet comercial, pela primeira vez os pobres mortais teriam acesso a rede mundial de computadores, mais precisamente no segundo semestre de 1995, eu com 19 anos a época, assinava um contrato, e mediante o pagamento de uma mensalidade que dava direito a 20 horas por mês, de conexão na grande rede, usando um computador 486DX4 100 com um modem 14.400bps.
Sim, além de bondagista eu era nerd, e apesar de nem saber o que significava "bondage" a época, me fascinava o conceito que a internet tinha de conectar você com o mundo.
Obviamente, em algum momento sozinho a frente do meu computador e excitado com pensamentos envolvendo BDSM, comecei a tentar buscar e ler mais sobre o assunto, foi quando achei um FAQ do grupo de discussão "Soc.subculture.bondage-bdsm" da Usenet, estava tudo em inglês, mas por conta própria, com uso de dicionário, traduzia palavra por palavra, para tentar entender tudo aqui... nele havia a seção 10 chamada "Why is bondage fun?" Ou "Por que bondage é divertido?"... Aquilo tudo foi uma descoberta fantástica... este FAQ ainda pode ser achado em vários lugares, como este aqui https://www.sexuality.org/l/bdsm/bdsmfaq.html...
Naquela época, a velocidade da internet era consideravelmente lenta até mesmo para carregar fotos, vídeos eram um sonho muito muito distante, impossível ver um vídeo pela internet...
A quantidade de websites a nível mundial era muito menor do que hoje, o google ainda não existia, buscadores eram tipo o Yahoo ou Cade que ainda usavam sistema de busca e acesso por diretórios... olha como era em 1997... https://web.archive.org/web/19970618221310/http://www.yahoo.com:80/Business_and_Economy/Companies/Sex/Specialty/BDSM/
Prosseguindo em minha jornada e já sabendo os termos em inglês, em algum momento consegui finalmente achar fotos de bondage, lembro que a primeira que achei era de um cara amarrado a um poste com muitas cordas, e ao lado uma dominadora... Tive uma ereção instantânea, era quase como perder a virgindade bondagística ver aquele mundo desvelado diante de meus olhos...
Mas tudo era difícil naquele tempo, boas fotos de bondage eram realmente raras e pagas e o primeiro website free que fez realmente sucesso com essa temática foi o saudoso "Mr. T's Scans", que postava 10 fotos novas a cada semana, de lindas modelos amarradas... mais tarde soubesse que o responsável pelo website escaneava revistas americadas como a "Bondage Life" e postava o material na internet, o que lhe rendeu inclusive um processo judicial...


Qualquer pessoa que gostasse de bondage e tivesse acesso à internet naquela época acompanhava esse website. O homem por trás disso se chamava Cory Thompson e mais tarde junto com Jim Weathers formaram um novo site com material próprio e pago chamado www.shortfuse.com, que durou apenas alguns poucos anos produzindo material de qualidade, até que em dezembro de 2003, Mr. T enfrentando problemas particulares veio a suicidar-se dando um triste fim a sua história.

Seu companheiro Jim Weathers fundou um website chamado Bondage Cafe https://www.bondagecafe.com/ que para mim é um dos mais fantásticos que existe até hoje.

É claro que sempre buscava novas leituras, fotos e cenas sobre meus fetiches, então em algum momento da jornada cheguei até uma foto que foi outra revelação incrível, era a foto de um homem totalmente mumificado com uma dominadora colocando o pé em sua boca... Era a combinação perfeita de dois grandes fetiches, mumificação e fetiche por pés. A cena ficou gravada em minha mente, até que muitos anos depois, encontrei um vídeo no xtube que tenho 99% de certeza refere-se aquela foto...


A qualidade do vídeo não é boa, pois provavelmente a fonte deve ser relativamente antiga, no entanto, é possível ver que o trabalho de mumificação foi muito bem feito.

E a pergunta que não quer calar, ao lado direito da porta, o que tem ali, não parece outro escravo mumificado? ou estou imaginando coisas?

No final, velhas e excitantes lembranças de um tempo que era bem mais difícil conseguir material de qualidade....

Alguém de vocês se identificou?

ass.: "p."

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Memórias de mais um passeio pelo Deviant Art - deviantart.com

Se você acompanha o blog, sabe o quanto me fascino por desenhos e ilustrações de fetiches, e com relação a este tema, o website Deviant Art mantem-se fonte inesgotável de lindos trabalhos....

Em primeiro lugar temos Arrakis Art - Você pode visita-la (Sim é uma Mulher) aqui: http://arrakisart.deviantart.com/

Tradução: Eu gosto do meu homem como eu gosto do meu café. Preto e parado onde eu deixei ele.


Tradução: Isto é tudo para o seu próprio bem.


Tradução: E agora nós podemos falar sobre meus sentimentos...


Temos também zblabla (Mark) se bem lembro já postei coisas dele por aqui...
Você pode conhecer mais sobre o trabalho dele no link: http://zblabla.deviantart.com/


Tradução: Ir para o Pub com seus amigos?
Desculpe-me mas ele está um pouco enrolado neste momento.
Então ele não pode ir... Receio, que ele permanecerá em casa todo o fim de semana.




Por fim, temos o bom e velho Sardax, sempre ele, talvez o mais talentoso ilustrador sobre a temática fetiche e dominação feminina. http://www.sardax.com/






quarta-feira, 29 de março de 2017

Alguém interessado em comprar dispositivo de castidade?

Ola queridos seguidores de nosso humilde blog, primeiro já aviso que parei de pedir desculpa pela falta de postagens, pois senão, o blog vai ser basicamente só um amontoado de desculpas já que estou sempre atrasando as coisas...

Estamos bem, e bem atarefados, o que é praxe... infelizmente as tarefas não são ligadas aos fetiches tratados no blog, mas sim, de tempos em tempos nos tiramos a poeira dos equipamentos e "brincamos", mas desta vez fico devendo as fotos, tivemos uma falha técnica e perdemos as fotos...

Então, para variar comprei outro dispositivo de castidade que deve chegar nos próximos dias, este deve ser o quinto que eu compro...também notei que estou começando a acumular um número considerável de equipamentos de bondage, castidade e afins... Alguns que estão parados eu pensei em vender. Não havia falado disso antes pois não havia ainda pensado em um meio anônimo de fazer a venda, sem colocar meu nome real e endereço no meio, mas agora achei a solução. (Prezamos muuuuuuuito por privacidade e anonimato, então a unica forma de fazer a venda seria de uma forma anônima)

Bom, então, temos dois dispositivos de castidade, um de metal que você pode ver aqui nestas fotos http://casalbondage.blogspot.com/2016/01/bondage-castidade-forcada-e-pes.html o outro é um Birdlocked original (comprado via internet do fabricante na suiça) é o modelo Neo na cor Preta, exatamente como este da foto http://www.birdlocked.com/img/shop/neo_shop2.jpg que por algum azar do destino eu sou alérgico ao material.

Se alguém se interessar, favor deixar um comentário abaixo para conversarmos.

Ahhh sim, prometo que assim que chegar o novo dispositivo de castidade eu posto fotos no blog.

até breve,

ass.: "p".

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Feliz Natal e Boa Virada de Ano!!!

Para variar, as coisas não saíram como o planejado no blog, minha culpa, digamos que recebi alguns castigos por isso, mas confesso, bem menos do que merecia...

Compramos novos equipamentos e acessórios, vou deixar algumas fotos de nossa diversão com eles:


 





Sim, sim, nesta última foto temos um dispositivo de castidade que dá choque....


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Uma Tabela Periódica Peculiar....

Diretamente do Website UberKink, lhes apresento algo digamos, como posso chamar, seria a Tabela Periódica do BDSM?

Você consegue encontrar seus Kinks ali?



Dica: Clique na imagem para ampliar...

Fonte: http://www.uberkinky.co.uk/blog/2014/11/10/periodic-table-of-kink/

terça-feira, 31 de maio de 2016

Huntress - 2º Conto - Capítulo 2: REGRAS

Gustavo recobrou os sentidos ainda confuso. Estava no escuro, abriu seus os olhos tentando compreender a situação ao redor, mas nada pode ver além da escuridão, logo percebeu que estava amarrado em sua camisa de força, a sensação daquele abraço forçado era inconfundível, tentou se mexer e notou que seus tornozelos e joelhos também estavam imobilizados.
Passados mais alguns segundos e na medida que recobrava a plena consciência dos acontecimentos, percebeu que havia mais, ele também estava amordaçado, era possível identificar que alguém havia afivelado uma ballgag em sua boca, por entre os dentes havia uma grande bola de borracha, e parecia que fita adesiva havia sido também aplicada, pois não havia passagem de ar pela boca, sua respiração era toda realizada pelo nariz.
Por não mais do que 30 segundos Gustavo ficou no chão, apreensivo, relembrando dos fatos da noite anterior, de Sara sua mulher, também da enfermeira, do whisky, das palavras, e por fim de dormir. E então lentamente, ele começou a se contorcer lutando contra a imobilização em que estava, forçou os braços, tensionou as pernas, esperneou contra as amarradas, girou o corpo para ambos os lados, e a medida que os minutos foram se sucedendo, Gustavo foi colocando mais esforço na batalha, o calor de seu corpo aumentando, sua respiração era mais rápida e pesada, gotículas de suor escorriam de seu rosto, ele se contorcia com vigor na escuridão.
Em determinado momento ele parou, não tinha mais energias para continuar, estava ofegante, suado, esbaforido, e no entanto, sua imobilização restava intacta, então, em um último ato de resistência ele buscou empurrar a bola com sua língua tentando se desvencilhar daquela enorme mordaça que preenchia seus lábios e sua boca, mas este gesto também restou inócuo.
As sensações de frustração, vulnerabilidade e ansiedade tomaram seus pensamentos, e por instinto ele começou a pedir por ajuda:
- "MMPPHPPPHHMMMHM, MMMPPPPHHMHMH, MMMMMMPPPPPHHHH!"
Passaram-se alguns minutos e nada. Gustavo então aumentou a intensidade:
- "MMMMPHPHPHPHPPHPHPPHPHPHPPPHPHPHPHPHPHPHPHP!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!"
Silêncio.
A cada minuto que passava sem respostas, a ansiedade de Gustavo na escuridão se amplificava, assim como as lamúrias e pedidos de ajuda que ele gritava amordaçado.
- "MMMPHPPHPPHPHPHPMHMHMHPHPHPHPHP! MMHPPHPPHPMMPPPPHHHHHH!"
Mas nada aconteceu.
Gustavo então parou, seu coração estava palpitando devido a ansiedade, sua respiração era rápida, seu medo era real, estava abandonado, e assim, imóvel na escuridão ele permaneceu.
O silêncio foi quebrado pelo barulho de passos e o click de um interruptor que ligou a luz do local onde ele se encontrava.
Em princípio ele ficou cego pela súbita luminosidade, transcorridos alguns segundos, a medida que seus olhos se ambientavam, a visão de sua esposa Sara se materializou diante de seus olhos.
Sara calçava botas de couro pretas, vestia uma calça de lycra preta metalizada e uma blusa cinza chumbo que marcava seus seios, seu cabelo estava impecável e a maquiagem era elegante e sóbria.
Gustavo piscou os olhos algumas vezes como alguém que não acreditava naquela visão, Sara fechou a porta atrás de si mesma e caminhou até onde ele estava amarrado, deitado sobre um pano velho no chão de madeira.
Agora já era possível enxergar a sua volta e pelo estilo do local Gustavo percebeu que estava em algum tipo de sótão, tudo era de madeira, era possível ver o formato do telhado, as vigas e a pequena porta de madeira por onde Sara entrou, definitivamente aquela era uma pequena dispensa ou depósito, localizado no sótão de alguma casa antiga, não havia nada a sua volta além das paredes, do teto, do chão e uma pequena lâmpada pendurada por um fio que iluminava o recinto.
Sara parou de pé em frente a Gustavo, que com muita dificuldade conseguiu posicionar-se sentado, mesmo amarrado.
Com um sorriso nos lábios ela então quebrou o silêncio:
- Oi Amor! Então você realmente achou que eu não era capaz de conseguir fazer isso? Eu só precisava de um pouco de ajuda, e verdade seja dita, eu achei Huntress, a ajuda perfeita.
Ela prosseguiu:
- Saiba que não foi nada fácil conseguir encontrar ela, demorei quase 60 dias para conseguir um contato válido através da internet, para falar a verdade já achava que ela sequer existia, mas então um certo dia recebi uma resposta dela, conversarmos via telefone, e depois que contei nossa aposta ela ficou feliz em me ajudar a dar uma lição em você. Você lembra aquele projeto em São Paulo, quando viajei a trabalho no mês passado? Então lá eu pude conhece-la, e sair com ela para jantar, foram algumas noites de conversa.
Sara olhou nos olhos de seu marido e continuou:
- Ela é bem exigente sabe? Foi necessário convencê-la, e para isso, tivemos que sentar e literalmente negociar, digo, negociar você!!! Ela tem regras,  muitas regras...
Ela então acariciou a cabeça de Gustavo enquanto prosseguia a conversa:
- Basicamente ela só aceitou estar aqui se eu cede-se você por completo, isso significa que a decisão até de retirar essa mordaça, e você sabe, não gosto muito de mordaças, agora pertence a ela.
Gustavo grunhiu surpreso:
- MMMPPPPHHH?
Sara então continuou:
- Sim amor, ela foi enfática em dizer que durante o seu sequestro, nossos encontros sempre seriam assim, com você amordaçado, você sabe as regras....
Gustavo ficava a cada sentença mais apreensivo e confuso, afinal Sara estava falando em ceder ele, regras, não poder falar, que tipo de negociação era aquela?
Ela percebeu um pouco de dúvida nos olhos de Gustavo e falou:
- Esse é o meu presente para você Gustavo, depois de todos esses anos te amarrando, com você falando sobre essas suas fantasias, chegou a hora da realidade, e você sabe que eu não poderia fazer isso sozinha. E também eu queria muuuuuuuuuuuito ganhar a aposta, e se você assinou aquele papel, acho que estava buscando por isso ou é muito burrinho.
Um voz feminina vinda do outro lado da porta ecoou: "ACABOU O TEMPO!"

Sara então se agachou e ficou olhos nos olhos com seu marido, enquanto falava:
-Até amanhã Gustavo, só tenho permissão de falar com você 5 minutos por dia, são regras, você vai aprender mais sobre elas a partir de agora...Até mais!
Gustavo estremeceu com aquelas palavras e grunhiu algo ininteligível através da mordaça.
- MMPPPHPHHPHPHPHMM.
Sara então abriu a porta e saiu do recinto. Gustavo ainda pode ouvir parte da conversa antes da porta fechar.
- Você fez um trabalho incrível com aquela mordaça! Não entendi uma só palavra do que ele falava, realmente abafou tudo. "Voz de Sara"
-  Obrigada, mordaças são minha especialidade.... "Voz de Huntress"
"Click" A luz novamente se apagou.
Silêncio.
Ele então tentou gritar:
- MMMMHPPHPHPHPHMHMHMPHP, MMMPOPPPHHHHH,. MMMPPPHHHHHHHH!!!!
Nada aconteceu.
Silêncio.
Escuro.

CONTINUA...

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Huntress - 2º Conto - Capítulo 1: MULHERES NÃO SÃO CAPAZES.

Huntress - 2º Conto - Capítulo 1: MULHERES NÃO SÃO CAPAZES.

- E então Sara? O que acha? - Indagou Gustavo.
- Você acha que essa história é verdade Gu? - Questionou Sara.
- Sinceramente? Não acho, é algo de um blog de internet sobre bondage, a história é bem legal, mas tem coisa ai que definitivamente não fecha - Ele respondeu.
Gustavo havia acabado de mostrar para sua esposa Sara a história de "Huntress", algo que havia sido escrito por um alguém chamado "Pedro", um relato de seus dias nas mãos da "Caçadora", tudo pormenorizado em uma detalhada história de 5 partes, que o autor afirmava ser verídica...
Gustavo e Sara já estavam juntos a mais de 20 anos, tempo suficiente para ela conhecer muito bem os fetiches de seu marido que incluíam bondage, confinamento, camisas de força, mumificação e principalmente os pés de sua mulher, entre outros desejos peculiares...
Sara não era o que podemos chamar de uma bondagista, mas achava divertida a ideia de auxiliar seu marido a viver suas fantasias, afinal não era tão difícil assim atar uma camisa de força e uma mordaça para mante-lo amarrado no chão do quarto por algumas horas... para ela podia ser até excitante participar disso...
Sara então falou: - A história é bem escrita, parece loucura, mas sinceramente o que mais gostei foi daquela Huntress, achei interessante a parte em que ela assume o comando dando uma lição no tal Pedro.
Gustavo rebateu: - Falso! Essa parte é invenção! Talvez um homem até fosse capaz de fazer algo assim, mas uma mulher Sara?
Sara: - Porque não Gustavo? Já passamos da época em que mulheres eram princesas trancadas em torres...
Gustavo: - Até hoje nunca vi uma mulher que fosse igual a essa vilã diabólica de história em quadrinhos!!!
Sara: - Ahhh Gustavo, faça-me o favor! Ainda mais você que gosta de ser meu submisso!!! Gosta de lamber meus pés, ser meu capacho...
Gustavo: - Amor, pense bem, olhe a história que acabou de ler, é bem diferente, ser capaz de sequestrar um homem adulto, imobiliza-lo contra sua vontade, transporta-lo até um local e mante-lo cativo por dias? Isso definitivamente não é coisa de mulher. Você não teria tempo, força física, meios ou ajuda para fazer algo assim, sério.
Sara retruca: - Gustavo você já está me irritando, não brinca com fogo, que você vai acabar queimado.
Gustavo ri: Sara, cai na real,
Sara deixa o recinto e vai até o escritório da casa, depois de uns 10 minutos volta segurando uma folha de papel branco impresso e uma caneta esferográfica azul.
Sara mostra a caneta: - Certo Gustavo, se você esta tão certo assim que não sou capaz, assina a folha de papel aqui.
Gustavo segura a folha de papel e começa a ler seu conteúdo:
"Eu Gustavo Monteiro autorizo minha esposa Sara Camargo a planejar e por em prática meu sequestro "bondagista", nos mesmos moldes do conto que mostrei a ela e que segue impresso em anexo a este documento. Eu Gustavo fico ciente que uma vez iniciado o sequestro ficarei preso por tempo incerto. Ao final ainda pagarei o equivalente a R$ 300,00 dia a título de despesas e custos."
Gustavo levanta os olhos e pergunta surpreso: Despesas e custos? Como assim?
Sara responde de pronto: Sim, o custo que vou cobrar por você perder a aposta Gustavo!!!
Gustavo: É uma aposta agora? Então se você não conseguir me paga R$ 500,00.
Sara sorri: Tá bom! Assina aí então!!!!
Gustavo ainda no impulso por ser desafiado assina açodadamente a folha de papel e devolve a Sara.
Gustavo: Pronto Sara!
Sara olha diretamente nos olhos de seu marido: - Tu ainda vai se lembrar desse dia.
Gustavo: - Vou sim, para te cobrar os 500,00 reais.
Sara: - Gustavo, Gustavo, não me provoca.
Gustavo: - É que te ver braba e ameaçadora assim tá ficando divertido já...
Sara: - A próxima vez que eu falar sobre esse assunto, já será tarde demais.
Gustavo: Tarde demais?
Sara: -  Para tu voltar atrás nessa ideia, e aí eu que vou achar divertido!
Gustavo sorri e beija Sara: - Você tá me deixando excitado com essa história toda.
Sara retribui um selo nos lábios de Gustavo e fala: - Uhum, vai lá agora no quarto e coloca o cinto de castidade, tranca o cadeado e trás a chave. Hoje as coisas serão divertidas só pra mim....
Após esse acontecimento se passaram mais de 100 dias, e toda aquela conversa de certa forma parecia ter sido esquecida. Gustavo deve ter se recordado umas 2 ou 3 vezes de pedir para Sara seus 500,00 reais e a única resposta era "você que vai me dever dinheiro".
Era uma sexta-feira de outono e na rua havia anoitecido quando Gustavo chegou em casa do trabalho, na sala de estar de casa encontrou Sara junto com outra mulher.
Sara: - Oi Amor, esta é a Caca, ela é enfermeira lá no hospital, ela é paulista, está em treinamento aqui e participa do meu projeto, vai passar o final de semana na cidade, então convidei-a para vir jantar com a gente.
Caca era uma mulher que aparentava quarenta e poucos anos, tinha cabelos longos, belos lábios e olhos penetrantes, aparentava medir quase 1,80 de altura, e pesar mais de 85kg, seu biotipo era de uma mulher corpulenta, um pouco acima do peso ideal, no entanto, parecia ser alguém que praticava algum tipo de esporte, tinha braços e pernas definidas.
Gustavo sorriu e cumprimentou Caca que retribuiu o gesto.
Ele então foi até o quarto para tomar um banho. Caca sentada ao sofá ficou apenas analisando Gustavo caminhando pelo corredor, examinando-o dos pés a cabeça.
Sara participava de diversos projetos na área da saúde, então estes jantares eram corriqueiros.
Gustavo por fim voltou sorridente para sala e sentou para jogar conversa fora. Sara já o esperava com uma dose de seu whisky favorito.
Ele sorriu, agradeceu a gentileza, deu um beijo em Sara e sorveu um belo gole daquele whisky.
Sentou-se então ao sofá e começou uma conversa animada enquanto bebericava seu copo.
No entanto, em menos de 5 minutos começou a sentir sua cabeça ficando zonza e falou: - Amor, acho que não estou me sentindo muito bem!
Neste momento, Sara e Caca se entreolharam e rapidamente ficaram de pé, Sara retirou o copo da mão de Gustavo, enquanto Caca auxiliava-o a deitar no chão da sala por sobre o carpete. Gustavo sentia-se a cada segundo mais incapacitado.
Gustavo balbuciou: - Estou me sentido mal, me ajuda!
Sara então fez um carinho no rosto de Gustavo e falou: SShhhhh amor! Fica calmo, já vai passar, o remédio está fazendo efeito, você vai dormir logo, logo...
Gustavo retrucou com uma voz embriagada: - reméedioooo?
Sara continuou o carinho que mais parecia um cafuné e prosseguiu: - Sshhhhh não resiste, deixa a droga fazer efeito, você vai dormir, e então nós vamos te levar daqui, vamos te amarrar, te esconder, você sabe, a aposta, o sequestro, tá lembrado?
Gustavo fez um grande esforço para manter os olhos abertos e apesar de confuso notou que naquele momento Caca chegava a seu lado, segurando uma camisa de força e também um grande rolo de fita adesiva...
Sara então beijou a testa de Gustavo e sussurou ao pé do ouvido: - Sobre a minha amiga aqui, vou confessar que sim, ela enfermeira de São Paulo, mas nunca trabalhou comigo. (pausa) Aaahh o apelido dela não é Cacá, é Huntress.
Gustavo mexeu a cabeça totalmente zonzo, podia sentir seus braços sendo enluvados pelas mangas da camisa de força e então apagou.

CONTINUA...